quarta-feira, 15 de maio de 2019

Ilustrações para eventos

Colorização incompleta de ilustração

Durante minha vida de estudos ou de aprimoramento para ilustrador, eu pouco participei de eventos. Atualmente adquiri mais confiança e animo para isso. Emborra sei que há inúmeros autores bem competentes, e sem hipocrisia nenhuma, o que vale é o aprendizado e participar.

Não vou revelar o evento, nem o tema agora, mas, mais tarde vou fazer isso. Mas vou registra aqui meu esforço para participar de um concurso de charge e quadrinhos. No que diz respeito as charges, eu já desenhei duas e estou colorizando uma.

Eu faço a colorização digital pelo Photoshop. Embora tenho o objetivo de conhece o Krita, outra ferramente de colorização que despertei o interesse de aprender, já que no clássico photoshop eu já tenha mais conhecimento. Tive a oportunidade, quando fui professor de Design Gráficos no Exercito de Salvação, onde ensinei o Gimp, Inkscape e Blender 3D durante 9 anos. E o editor de imagem o Gimp, também é uma ótima ferramenta de colorização, que mesmo sendo Open Source (livre e sem licença) não deve nada em qualidade ao Photoshop.

Não sou exclusivamente um ilustrador, de trabalhar apenas com ilustração. Sou mais gráfico, trabalho com artes para gráfica. Mas atenho feito ao logo dos anos, ilustrações para capas, eventos, identidade visual de impressos, em fim, quando sou reconhecido e requisitando para tal.

Mas atualmente estou mais intenso e alcançando mais maturidade na prática de desenvolver  ilustrações. Espero poder continuas, emborra divida esses estudos com os estudos de 3D com o Blender que também não abro mal de aperfeiçoar ainda mais.

Mas no fim das conta, o que desejo transmitir é que se você é ilustrador iniciante, persista e estudo muito porque tudo isso vale apena, mesmo que seja para satisfação pessoa, sempre vale apena!






quarta-feira, 17 de abril de 2019

Parabéns o aniversariante Zenival, e aos fomentadores do quadrinhos em PE

Desenho de Zenival, que fiz a pedido de Carlos Araújo

Hoje (17/04/2019) é o aniversário de Pedro Zenival. É melhor ser sincero. Não sou muito bom de lembra aniversários, mas, graças o facebook, que me lembra, posso através do próprio facebook congratular os amigos. Mas reservei essa publicação para homenagear Zenival, que além de um bom artista, sempre foi um bom incentivador, um bom amigo, mesmo sem muito contato, como sempre se acredita que são forjadas as amizades, ele tinha boas palavras de incentivo.

Lembro, quando mais jovem (17 anos creio), fui visitar a CEPE (Companhia Editora da PE) após conversar com uma vizinha de minha mãe, que era carinhosamente chamada de Zinha (hoje falecida), que trabalhava como secretária nessa gráfica do Diário Oficial. Fui em busca de publicar quadrinhos, mas encontrei, o que hoje é mais que eu almejava.

Francisco Tavares e seu filho Ricardo
Nessa visita, de uma só vez, encontreis três pessoas que me influenciaram e mudaram o rumo da minha história. Há principio conheci Francisco Tavares, um editor de livros e até quadrinhos, que também era dono de uma das maiores coleções de quadrinhos de PE. Várias vezes em visitas a sua casa em Boa Viagem, podemos apreciar autores e conceitos de qualidade. Tavares foi também um grande incentivador e nos inspirou muito sua grande coleção. Não lembro a data de seu falecimento, mas deixou muita saudade.

Também conheci Lailson de Holanda, nesse mesmo dia (depois fui levar o grupo PADA a conhece-los), que na época do governo de Jarbas Vasconcelos, foi diretor industrial da CEPE, que recentemente foi dignamente homenageado na VII Feira Asgardiana (13/04/2019). Lailson também nos ajudou muito com incentivos e conselhos realistas, e ao longo dos anos ele passou a ser um  padrinho da PADA. Seus conselhos sempre foram pontuais e objetivos e transformadores.

Capa do Suplemento Cultura totalmente
ilustrada por Pedro Zenival
A terceira pessoa que conheci nessa visita a CEPE, através de Francisco Tavares, foi o Pedro Zenival. Pouco sabia sobre ele, mas depois que conheci, um dedicado ilustrador, quadrinhistas e colorista. Que na soma desta qualidades fizeram representar pernambuco em editoras do sul do pais. Foi quando conheci sua história e fui buscar a história dos quadrinhistas pernambucanos dos anos 70 e anteriores, descobri nossas raízes.

Essa visita culminou numa edição do Suplemento Cultural cujo tema foi quadrinhos. Onde fomos capa, sobre a indicação de Tavares e Lailson e com arte de Zenival, os três amigos que conheci naquela ocasião nos proporcionou esse momento marcante e inesquecível. Nessa edição ainda teve uma entrevista com Watson Portela.

E o fruto disso foi a edição da Prismarte #4, que publicamos o Bote da Cascavel, desenhada por Zenival, que também foi um marco para nós da PADA.

Por isso acredito que os autores do passado, tem muito a contribuir para os autores do presente e do futuro, simplesmente com suas histórias de vida.







segunda-feira, 15 de abril de 2019

VII Feira Asgardiana, homenagem a Lailson e 80 do Batman

Essa foi a primeira Feira Asgardiana do ano de 2019 e a 7ª desde sua existência. Apesar de nos movermos para vendermos nossas obras e produtos, o grande mérito deste evento é o encontro de autores de várias gerações, de incentivadores e apoiadores do quadrinhos pernambucano, Sob a curadoria de Orlando do Patrocínio(Odin).
Lailson (no meio), Orlando(Odin a esquerda)
e Zeca do Patrocínio (irmão de Orlando)

A justa homenagem a Lailson de Holanda, com sua vasta contribuição em arte e ações individuais e coletivas a produção locais, que deve ser lembrando aos jovens autores, que muitas vezes só enxergam referencias internacionais e não percebem que há as locais.

Mas encontramos além dos novos autores também outros nomes da historia dos quadrinhos pernambucanos, se não contribuidores diretos mais indiretos com a nona artes, como Tarcísio Pereira (dono da memorável Livros - recordista do Guinnes Book) e Zeca do Patrocínio que com a Banca Globo contribuiu e muito da mesma forma.

Entre outros destaco também, a presença de Pedro Zenival, que lançou no ano passado 1817 - Amor e Revolução, desenhou nos anos 70 para editoras do Sul do Pais, sendo, (se não me engano o primeiro), um dos primeiros autores de quadrinhos em Pernambuco com repercussão nacional.

Lançamos a Prismarte #65 - Pátria Amada, de José Valcir e Fábio Cassiano, onde tivemos a presença de ambos, para rever a obra depois de mais de 20 anos que foi produzida.

Além dos citados no artigo, é muito bom encontra os amigos, Luciano Félix (Wander), Eduardo Shoolose(Zé Gatão), Roberta Cirne (Sombras do Recife), Pedro Ponzo, Leonardo Arquiteto, Henrique, Rafael Anderson, Bruno Alves(Severino), Roberto Beltrão (Recife Assombrado), Arnaldo Luiz(MinoTauro), José Valcir(Pátra Amada), Fabio Cassiano (Pátria Amada), Eron Villar (Noiva da Revolução), Eduardo, Kilson(cartunistas), Carlos Araujo(Bíblia em quadrinhos), Carlos Eduardo, Braga Câmara e sua esposa Tati(não podia deixar de menciona-la) e outros que me perdoem não lembra os nomes

Abaixo, Eu (Milson Marins) e Braga José Carlos Braga Câmara
(capa da As Aventuras do Zé Coruja #3 e
publicou na Prismarte #39 - Recife 12 horas de quadrinhos)

Zeca Do Patrocinio, que também contribuiu muito com os quadrinhos em PE,
nos anos 90 até a existência da Banca Globo. Quem sabe o que é ser grato sabe a importância deles para os quadrinhos Made in PE!

Pedro Zenival (1817 – Amor e revolução e Prismarte #4 - anos 90),
Eu, Bruno Alves (criador do personagem Severino - Prismarte # 64),
 José Valcir (Pátria Amada), Carlos Araújo (Bíblia em quadrinhos).



Tarcísio Pereira - foi dono da Livro 7 recordista do Guinness Book
 como maior livraria da América Latina.
E patrocinou muito projetos literários, incluindo Primarte.





quinta-feira, 4 de abril de 2019

O Humor do Brasil na 2ª Guerra - Ideias incompletas



Assisti, recentemente o filme nacional Estrada 47, é um filme classificado como drama, e foi lançado em 2015, escrito e dirigido por Vicente Ferraz, baseado em fatos reais, sobre a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial.  Considero uma obra muito bem produzia. Principalmente pelo roteiro, que muda o rumo da história e tira aqueles clichês de costume em filmes do gênero de guerra. Confesso que me orgulhei muito desta produção.

Sempre fui muito voltado para esse tema da Segunda Guerra Mundial, mais especificamente o Brasil! Queria fazer alguma HQ deste gênero. Nos anos 90 foi quando despertou esse interesse juntamente com meu irmão, Marco Marins. E na ocasião pensamos em fazer uma tiras de humor sobre O Brasil na Segunda Guerra, cujo desenho eu fiz e meu irmão arte-finalizou e até colorizou. Fizemos umas tiras iniciais, onde Marco arte-finalizou e até colorizou, a moda antiga, com pinceis de aquarela. E o resultado ficou bom! Mas, infelizmente, algumas circunstância nos impediu de continua.

Mas pensando em participar de um concurso, que a modalidade de quadrinhos e tiras, que esta em andamento as inscrições, penso é retomar esse projeto enviando a esse concurso.

Bom vontade eu tenho, mas espero que consiga tempo para isso.

Grande abraços a todos que acompanham meu Blog pessoal. As vezes esqueço desta interação e de agradecer.

Fique a vontade para comentar.

sábado, 9 de março de 2019

Primeira Exposição de Quadrinhos em PE

Carta declaração emitida pela diretoria da UFPE pelo 1º Evento de Quadrinhos realizado em PE 

Envelope da carta da UFPE

Em meados do anos 90 depois de um exposição realizada na Biblioteca Castelo Branco em Recife - PE (Cento do Recife - próximo ao Parque 13 de maio). Em virtude desta exposição, tivemos a grata surpresa ao sermos convidados para uma exposição da na Biblioteca Central da UFPE em  15 de maio de 1992, um mês após a exposição na Biblioteca Publica Castelo Branco. Interessante que abril é o mês de aniversário da PADA, e foi em abril que iniciamos esse ousado projeto de exposição, que nasceu de uma de nossas reuniões no inicio da 1ª grupo PADA, que tinha como membros ALEXANDRE FREITAS, ANDRÉ GOMES, ARNALDO LUIZ, DOUGLAS CAMPELO, EUSÉBIO MAUNÕZ, JORGE LUIZ, JOSÉ VALCIR, MARCO MARINS, MILSON MARINS e WALMIR SABINO (que infelizmente teve seu nome grafado errado).

Na época a diretora era Profª Corita Aguiar e Silva, que ficou satisfeita com o ventos que lá fizemos, que teve presença de LAILSON DE HOLANDA e CLERISTO, como nossos principais palestrantes. Anos depois Lailson viria a lançar um evento sobre quadrinhos de grande porte que foi o FIHQ-PE.

Fico grato a esse bravos autores, alguns não atuantes, outro meio atoantes, que fizeram tudo isso acontecer e fizeram parte dessa história, que parece perdida, mas que fez parte de uma geração de autores que ficaram mais admiradores de quadrinhos.

Aqui deixo meu agradecimento.



sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Zezo, um mascote em produção - versão final

Como a busca pela excelência é algo necessário para o sucesso de alguma obra ou atividade. Comigo não é diferente. O cliente exige e vamos em busca de satisfazer o que eta sendo pedido.

Isso aconteceu na criação do ZEZO para uma industria alimentos que está sendo instalada na cidade de Paulista - PE. Essa é 4 versão do personagem, que fiz em meio as tentativas. Tive que mudar radicalmente meu traço e seguir tendências de ilustração publicitária, apara chegar a esse resultado, que finalmente foi aprovado.

Mas definida a imagem, também queria fazer um arte-final vetorizada e de possível alteração nas expressão do personagem, dando mais vida e para futuros usos publicitários, em display, adesivos, filmes, anúncios impressos. Além de poder mudar seus trajes para ocasiões de divulgação  em eventos sazonais, como festas juninas, natal etc.

Missão em parte comprida e agora é fazer o álbum da logo marca com o mascote. Já tenho desenvolvido o ZEZO em cores, mas não devo publicar ainda, já que ainda estamos definindo.

sábado, 29 de dezembro de 2018

Zezo, um mascote em produção



Eu considerava que não havia mais nada de tão importante em termo de arte para o fim desse ano de 2018. Apenas rotinas gráficas de fim de ano. Fui surpreendido. Até que surgiu essa semana um novo desafio gráfico. Que é a criação de um mascote para um marca de um produto (que não posso dizer ainda), cujo personagem é chamado ZEZO.
ZEZO um garoto tipicamente nordestino e sorridente e simpático.

Pesando nessas descrições passada pelo cliente e depois de muitos rascunhos, (esses são alguns deles), chegamos a essa ilustração do centro, que devo colorizar e ajustar para as peças de embalagem e publicitária. Também farei de corpo inteiro e porque na embalagem será o rosto dele.

Por enquanto tudo é um rascunho no lápis, mas a arte final e colorização vão dá o formato final do mascote com a logomarca.

Creio que esse deve ser minha última postagem do Ano de 2018. Se for, FELIZ ANO NOVO para todos os que me acompanhão. Se não for, a última postagem, eu deixo desejo Feliz Ano Novo de novo! :) .